quarta-feira, 27 de agosto de 2008

AFRIKA! AFRIKA! & Cirque du Soleil







Ontem, o Mário e eu fomos ao Trafford Centre , o maior shopping de UK, para assistir ao espetáculo AFRIKA! AFRIKA!, de Andre Heller, que é escritor, cineasta, cenógrafo, compositor, coreógrafo e o multi-talentoso idealizador do show.

Para quem, como eu, assistiu o Cirque Du Soleil,há uma sensação constante de deja vú, porque o conceito de espetáculo circense é o mesmo: nada de animais, apenas artistas e atletas de alto nível, tendas super produzidas, muita música e acrobacias de tirar o fôlego. AFRIKA! AFRIKA! Entretanto, fez mais o meu gênero... Isso porque se trata de uma experiência “baseada em fatos reais”, não em contos de fadas como os do Cirque.

O show representa danças, folclores e rituais do antigo continente, embalados ao legítimo som do tambor e com um elenco ”made in Africa”, o que confere muito mais autenticidade e força ao espetáculo. Sim, há shows clichê, como o de contorcionistas, o das 12 bolinhas de tênis, pirâmides humanas e coreografia do pool, mas há também acrobacias mescladas com algo que remete à capoeira e ao samba, um excelente show de break e uma performance enlouquecedora de um jogo de basquete sobre rodas. É muita informação, muito som, muita agilidade, muita precisão, mas alguns erros também. Foram pelo menos 3 tombos durante o show, mas nem isso compromete o meu julgamento de que Afrika! Afrika! supera o Cirque Du Soleil, seu modelo óbvio.

A ornamentação das tendas é outro diferencial. Extremamente bem estruturadas, as tendas abrigam um hall com bares maravilhoso, um legítimo café africano e um restaurante de primeira, o Masai Mara, para bolsos mais rechonchudos do que o meu. Se o Cirque Du soleil é melhor do que o AFRIKA! é em relação à perfeição dos movimentos, porque nota-se que ainda há um leve descompasso entre os africanos que não existe no time do Cirque; mas talvez até isso reflita o estilo africano de ser, porque é tudo tão rápido que os erros acabam sendo perdoados.

Em suma, eu recomendo! O show mostra uma África pulsante e forte, rústica e intensa, sem as mazelas que estamos acostumados a ver na TV. Talvez seja uma África para inglês ver mesmo, mas nem assim, o espetáculo não perde a sua beleza.

Veja a tenda no vídeo:
video

3 comentários:

Elaine Leme disse...

Ma, será que vem para o Brasil?!

Mudei a carinha do meu blog...quando der entra la.

beijos

Anônimo disse...

Meu, incrível!

Não tem mais fotos? Continue colocando vídeos!

Morri de inveja.

Enquanto isso, me satisfaço com o espetáculo da Régis e das Obras do Rodoanel.

bjo

Elaine Leme disse...

Amiga, vc é fantastica! postou um texto no blog e uma semana depois a Globo colocou o Afrika no Fantastico...isso sim é desencavar uma pauta.

beijos